segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Tampando tudo...

Cada vez mais surgem equipamentos para auxiliar o desenvolvimento da natação.

Os equipamentos mais comuns são:
  • Protetor Ocular ( Óculos  )
  • tampão auricular
  • clip de nariz

Ou seja adaptação do rosto ZERO, porém é importante ter bom senso, no caso de patologias e irritação acentuada vale a pena lançar mão desses recursos.
Principalmente do nadador adulto.

Porem privar o iniciante de adaptar-se ao meio liquido o mínimo possível , transforma-se em um obstáculo futuro.

Quantos são exímios nadadores com seus aparatos,  porem basta remover um item e pronto ! Peixe fora da agua!

Qualquer equipamento e adequado em situações especificas, mas não devemos ser dependentes totalmente deles.

O objetivo desses equipamentos e proporcionar conforto durante  a pratica da natação.

EQUIPAMENTOS«




Clip de Nariz = CLIP NOSE




Para os nadadores que tem sinusites ou problemas de respiração enquanto nadam, usar um clip de nariz pode tornar a atividade muito mais confortável.
 Um clip de nariz é um pedaço de plástico pequeno revestido com arame que é colocado no nariz para fechar as narinas.


Protetor Auricular ( Tampão de ouvido )

    
         A otite externa é causada uma infecção bacteriana do ouvido no canal entre o tímpano e/o ouvido externo. 

Se a água fica presa na orelha interna, tende a lavar a camada de cera protetora, o que torna a orelha interna vulneráveis ao ataque bacteriano. 
Este efeito é agravado se a água poluída ou químico ricos, tais como a encontrada em piscinas, fica preso dentro do ouvido

       As infecções do ouvido médio estão associadas a problemas respiratórios, como gripe, bronquite, sinusite e refluxo. 
  1. E um problema no ouvido pode causar até uma paralisia facial. “O nervo. facial passa dentro do ouvido. Se esse nervo é mais desprotegido, pode causar a paralisia”, diz a médica otorrinolaringologista Tanit Ganz Sanches.
           Os tampões para os ouvidos ajudam a prevenir a infecção causada por entrada de água dentro do ouvido. Isto é especialmente importante para os de mais 700 mil pessoas nos Estados Unidos passam por cirurgia no ouvido para colocação do tubo(dreno) nos seus ouvidos.



    TAMPÃO PARA NADAR
    • Protetores de ouvido contra água e ruído, personalizados e feito de material específico de silicone.
    • Indicação de lado para facilitar a colocação, para crianças e adultos.
    • Indicado para ouvido com dreno, uso no chuveiro, piscina, praia, etc.
    • Veda até mesmo sob imersão.
    • Os nadadores estão sujeito as inflamações no ouvido (otite).
    • Usado também para dormir e trabalhar proporcionando maior conforto auditivo pela redução de ruído.




    Tampão e protetor de ouvido para natação                



    As infecções do ouvido médio são causadas por bactérias e vírus.

    Durante um resfriado, sinusite ou infecção na garganta, ou uma alergia, as trompas de Eustáquio , que liga o ouvido médio à garganta, pode tornar-se bloqueada. Isso interrompe a drenagem do ar do ouvido médio até a garganta. Este líquido é um perfeito terreno fértil para as bactérias ou vírus, onde eles crescem gerando a infecção no ouvido.


    As infecções bacterianas: são infecções de ouvido causadas por bactérias. Os tipos mais comuns são Streptococcus pneumoniae (pneumococo também chamado), Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis.


    As infecções virais: são infecções de ouvido causadas por vírus. O vírus respiratório sincicial (RSV) e gripe ( influenza ) de vírus são os tipos mais frequentes encontrados.

     
    Causas de acúmulo de líquido:
    Quando o inchaço de uma infecção respiratória superior ou blocos de alergia a trompa de Eustáquio , o ar não consegue chegar ao ouvido médio. 
    Isto cria um vácuo e sucção, que retira fluido e germes do nariz e da garganta para o ouvido médio. 
    O tubo inchado previne este líquido de drenagem. Uma infecção no ouvido começa quando bactérias ou vírus no líquido aprisionado se transformar em uma infecção.
    Inflamação e acúmulo de líquido pode ocorrer sem infecção e causar uma sensação de congestão nos ouvidos. Esta é conhecida como otite média com efusão .
    ÓCULOS - PROTETOR OCULAR

    Sempre devemos procurar óculos de acordo com nossa face que seja confortável e possa auxiliar no desempenho, seja na aprendizagem ou treinamento avançado.



     NADAR PODE SER MUITO DIVERTIDO COM MUITOS EQUIPAMENTOS ESTIMULANTES PORÉM TEM MOMENTO ADEQUADO PARA UTILIZA-LOS, PRIVAR UM ALUNO INICIANTE DE ADAPTAR SEU CORPO AO MEIO NÃO É SUA FUNÇÃO PRINCIPAL E SIM PROTEÇÃO.
    AGORA NÃO TEM DESCULPAS PARA COMEÇAR A NADAR...



Palmares para Natação

  • O Palmar de Natação, serve para fortalecer os braços e melhorar a eficiência das braçadas. Deve ter um design anatômico com orifícios posicionados para controlar a resistência da água.
    Ideal para treinos de sobrecarga nos braços.

     

    Dica número 1:

O palmar é um ótimo equipamento para fortalecer os membros superiores, porém, se você sentir algum incômodo muscular em seu ombro durante a prática da natação, é melhor aguardar até que você aperfeiçoe sua técnica do nado crawl para usá-lo novamente, dessa forma, ao não sentir mais dores, o uso do palmar trará melhores resultados.

  • Dica número 2:

Existem diferentes modelos e formatos de palmares, cada um deles tem uma caraterística especifica, e por isso, se você é iniciante e não exercita os braços frequentemente, procure palmares menores que proporcionam uma menor resistência na agua. Conforme a sua força e resistência nos braços forem aumentando, prefira comprar palmares maiores, que são os mais indicados para essa ocasião.

  • Dica número 3:

Caso você esteja procurando um palmar para melhorar sua performance ou,  em um determinado estilo de nado, como o nado peito,  você encontrará o modelo específico para essa ocasião.

Palmares mais Vendidos:

 

O Terceiro palmar é o Palmar Dirigido, que possui borracha apenas no dedo ;

O Quarto palmar é o 1/2 lua, específico para o nado de Peito

O Quinto e Sexto Palmar tem a praticidade de não precisar trocar a borracha quando estragar, sim ela estraga devido a umidade.

O palmar Agility Paddles não possui tiras de sustentação, o que faz com que o atleta aprenda a posicionar corretamente sua mão no momento que ela entra na água.

O Sexto Palmar  é o Forearm Fulcrum Finis , pode ser usado por qualquer nível do nadador. Ele serve para melhorar a técnica da braçada e tem utilidade em todos os estilos.

O palmar segura a mão, pulso e cotovelo para manter na posição correta de braçada.


 
Caso esteja procurando algum palmar, é só entrar em contato !!!

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

DESVENDANDO OS SEGREDOS DA NADADEIRA ( PÉ-DE-PATO)



A resistência da água ou arrasto é a principal força a ser vencida durante a locomoção aquática. Como a densidade da água é aproximadamente 800 vezes maior que a do ar, isso requer elevado gasto energético. De fato, quando um corpo está horizontalmente imerso em água, o tórax tende a flutuar enquanto os membros inferiores tendem a afundar. Uma das funções do pé-de-pato seria melhorar a habilidade técnica e aumentar o tamanho da superfície de propulsão, associados a aumento na eficiência propulsiva, pode reduzir o custo de nado maximizando a propulsão e minimizando a resistência. Assim, elas podem necessitar menos energia para manter o corpo na posição horizontal, já que uma posição mais horizontal pode reduzir de forma significativa o arrasto.
    Tem sido demonstrado mais recentemente que a utilização de nadadeiras ou popularmente conhecidos como pés-de-pato pode reduzir em 10% o gasto energético durante o nado de crawl. Essa redução é devida principalmente a diminuição do trabalho mecânico total. Conseqüentemente, valores 20% maiores na eficiência de propulsão são encontrados com a utilização dos pés-de-pato. É interessante notar que o uso de pés-de-pato no crawl não induz somente redução na freqüência de pernadas, mas também decréscimo na freqüência de braçada. Isso indica que os pés-de-pato não somente melhoram a eficiência de propulsão dos membros inferiores, mas também influenciam na eficiência de propulsão dos braços, trazendo os seguintes benefícios:

Melhorar a flexibilidade dos tornozelos

    A principal razão é a flexibilidade dos tornozelos que funcionam como ganchos, o que faz com que as pessoas nadem para trás. Os bons nadadores, ao contrário, alongam os tornozelos de modo que formem uma linha reta com a perna. Por causa da carga extra com o aumento da superfície dos pés de pato, há um alongamento dos tornozelos ao bater a perna. Seu uso constante os alonga, aumentando sua flexibilidade para se movimentar em todas as direções, tornando a batida de perna muito mais eficiente.

Aumentar a força de perna

    Bater perna com pés de pato é o mesmo que levantar pesos; a resistência da água ao tamanho do pé de pato exige mais dos músculos usados. Músculos mais fortes puxam mais água, fazendo com que a pessoa nade mais depressa. É preciso ter em mente que os pés de pato desenvolvem a força muscular das pernas especificamente para a natação..



       

Mas não só de benefícios são feitos o uso de nadadeiras, os erros na utilização das nadadeiras são:

Logo no início do treino, no aquecimento já começar com a nadadeira, um pecado mortal, pois a função do aquecimento ( as primeiras metragens do treino) o corpo sobre uma sequência de adaptações fisiológicas que vai desde a pressão arterial até a sensibilidade do nadador e a utilização nesse período pode levar a perda da sensibilidades aquáticas o que influenciaria negativamente na técnica do nadador durante todo o termino do treinamento. 

Achar que a nadadeira faz parte do teu corpo, outro erro mortal, a nadadeira deve ser utilizado conforme a programação do técnico, que geralmente são utilizadas nas series principais que cada período do ciclo de treinamento. Nadadores masters tem a "mania" de achar que não sabem nadar sem ele, isso cria uma dependência no nado, impedindo de desenvolver o estilo  e piorando sua sensibilidade aquática na hora de nadar sem o material.

Por fim é importante lembrar que a nadadeira é apenas um material que auxilia no treinamento como pranchas, palmares, flutuadores, parachutes entre outros, e não um equipamento indispensável
Qual o melhor tipo de nadadeira?

Fica difícil dizer qual é o melhor, mas muito fácil de dizer qual é o pior. Jamais use pés de pato que tenham a
 estrutura plástica e dura. Este pé de pato, tipo bodyboarding, limita a flexibilidade dos tornozelos e troca por completo a técnica do nadador.
Pés de pato bons são aqueles flexíveis, todo em borracha, que permitem o movimento completo sem qualquer restrição pelo nadador. Uma das grandes opções para aproximar a técnica de nado é cortar o pé de pato diminuindo a sua extensão. Tal medida, dá ao nadador uma coordenação técnica e motora mais próxima do nado regular.
Um modelo muito utilizado nos Estados Unidos é o modelo Zoomers, pés de pato menores e um pouco mais pesados. Estudos apresentam que o modelo ajuda na técnica do nadador. 

FONTES: EFDeportes.com, Revista Digital.Buenos Aires - nº 157-junho 2011; www.bestswimming.com.br

Xô Preguiça !

Frio, chuva, cansaço, sono, aquela preguiça… são vários os motivos que podem te fazer querer não levantar da cama ou do sofá para ir treinar. Quem nunca se sentiu assim? Tenho certeza que sabe do que estou falando.
Sempre que estiver se sentindo assim, lembre-se do seguinte:
LEMBRE-SE DOS SEUS OBJETIVOS E METAS

Lembre-se dos tempos que você gostaria de fazer, do lugar que deseja alcançar no seu principal campeonato, na sua meta de perda de peso ou ganho de preparo físico. Seja qual for o seu motivo de estar nadando, não o traia simplesmente porque as circunstâncias estão indo contra naquele dia. Um dia de treino perdido faz mais diferença do que você imagina. Quanto mais fiel e comprometido você for com seus objetivos, maiores as chances de alcançá-los.

SEUS ADVERSÁRIOS ESTÃO TREINANDO

Ele também tem objetivos e também quer ganhar, então, perder um treino significa já sair atrás. Você quer ficar em desvantagem já na sua preparação?
Pense comigo: se você for treinar e ele também, não será a falta de treino que irá decidir o vencedor. Se você não treinar e ele sim, você está em desvantagem. Se você for e ele não, a vantagem é sua. Então para que arriscar, sendo que você só tem a ganhar indo para o treino?
A forma como você executa o que foi planejado, como vive seu dia a dia e lida com as adversidades é que te farão evoluir. O percurso é tão, ou mais, importante do que a linha de chegada.

SE NÃO QUISER IR TREINAR POR VOCÊ, VÁ PELA SUA EQUIPE

Seus companheiros de time não tem nada haver com o fato de você não querer ir treinar. Pense neles e nos objetivos da sua equipe para a temporada. Coloque isso como motivador, não seja egoísta.

 Toda equipe perde quando seus membros começam a faltar.



Ir treinar quando você está bem humorado, descansado e motivado é fácil. Difícil é sair de casa quando tudo parece estar contra você. Mas entenda que são as pequenas vitórias nos dias difíceis que você cresce como atleta e como pessoa. Todos nós teremos os nossos dias inglórios, mas a forma de lidar com eles é que te fará ser melhor a cada dia.
E acredite, vai valer a pena no final. Conquistar seu objetivo é sempre muito gratificante. E não existe sensação pior do que olhar para trás e achar que poderia ter feito mais e melhor. Aquele “e se eu tivesse feito todos os treinos?”, “e se eu tivesse me dedicado mais?”.

 Faça as coisas de um jeito onde não existam “e se”s.

Por :Raia Oito

sábado, 9 de setembro de 2017

Não brigue com o Wetsuit ...




A natação com roupa de borracha tem suas vantagens. Além de excelente isolante térmico, o neoprene aumenta a flutuabilidade do atleta, o que minimiza a necessidade de bater pernas — reduzindo a frequência cardíaca e o desgaste físico — e ao mesmo tempo aumenta a velocidade na água. No entanto, despir esse acessório é uma tarefa ardilosa, especialmente quando saímos atordoados de uma natação muito longa ou rápida. No Ironman Brasil, em particular, a organização disponibiliza voluntários para ajudar os atletas a tirarem rapidamente a roupa de borracha. Mas como na grande maioria das competições o atleta tem de se virar sozinho, separamos algumas dicas para facilitar esse “strip”.

Hora de Vestir

Vestir o wetsuit corretamente faz toda a diferença para o conforto durante a natação e para uma retirada rápida. Para isso, alguns pontos são importantes:

– Ao redor do pescoço (e abaixo das axilas, no caso de roupas sem manga), aplique vaselina ou outro lubrificante que não saia na água para evitar assaduras provocadas pela fricção da pele contra a roupa, que aumenta em função da presença do sal.
– Para vestir e retirar facilmente a roupa, uma boa dica é espalhar condicionador de cabelo em pernas e braços — quanto mais oleoso, melhor! Utilize um saco plástico para cobrir as mãos ao espalhar o produto, pois isso diminui consideravelmente a sujeira na parte externa da roupa.
– Ao terminar de vestir-se, puxe bem as pernas para cima, até que o cavalo fique justo ao corpo. Faça o mesmo com as mangas, puxando-as até que a roupa fique justa sob as axilas e com uma pequena folga nos ombros.
– Se precisar de ajuda para fechar a roupa de borracha, certifique-se de que o velcro da gola foi fechado adequadamente e que você sabe exatamente onde está a ponta da tira que lhe permitirá abrir o zíper das costas.

Hora de tirar

Realize treinos de natação com a roupa de borracha e pratique retirá-la rapidamente, visualizando e automatizando esta sequência:

Ao se levantar da água, suba os óculos de natação até a testa, mas não os retire. Já correndo a caminho da praia ou área de transição, abra o velcro da gola, puxe a tira que abre o zíper da roupa e retire a parte de cima, dobrando-a na altura do quadril. Se a roupa tiver adereços internos, como cinto de velcro, abra-o. Tire a touca e os óculos e continue correndo com ambos na mão. Lembre-se: eles não podem ser descartados e/ou deixados fora da área de transição.
Se houver staff para a retirada de roupas, deite-se perto de um deles com as pernas elevadas e deixe que ele puxe a roupa pelas mangas. Caso não haja staff, ao chegar à tenda de troca ou ao lado de sua bicicleta, livre-se da touca e dos óculos e, com um movimento brusco, baixe a roupa até a altura das canelas (o condicionador previamente aplicado facilita imensamente essa tarefa!).
Libere uma das pernas e pise sobre a roupa de borracha, facilitando a liberação da segunda perna. Se a roupa for muito justa perto dos tornozelos, pode ser mais fácil realizar essa etapa sentado. Guarde a roupa na sacola ou espaço específico para este fim e bom pedal!


(Matéria publicada na revista VO2 Bike, edição 103)

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Nadar no Mar




Uma das atividades esportivas que mais cresce no mundo e no Brasil não podia ser diferente, afinal temos mais de 8000km de costa, rios, lagos, lagoas, represas além de clima excelente para essa prática.

Mas nadar é uma atividade que exige uma técnica muito apurada e nadar no mar ainda mais.
No mar não temos borda, nem raia, nem fundo da piscina com aquela listra preta desenhada no chão, e sendo assim na piscina sabemos sempre para onde estamos indo: de um lado para o outro da borda.
Já no mar é preciso saber se orientar e isso só se consegue com a respiração frontal.


A menos que você tenha uma técnica muito eficiente, você pode nadar sem respirar para frente, do contrário é necessário utilizar a respiração frontal, pois isso evita nadar em zig zag, quer dizer, evita fazer esforço desnecessário.


Fazer a respiração frontal a cada 3 ou 4 ciclos de braçadas já é o suficiente. Não é necessário fazer em todo ciclo de braçada, basta dar uma “espiadinha” para ver para aonde está nadando.


Não é difícil, mas ter um bom técnico te ensinando ajuda muito.


Bora treinar?

sábado, 2 de setembro de 2017

Tiros, 10x100, para que servem ???

Depois que a ciência chancelou sua eficiência, virou tendência usar treinos mais curtos, porém de alta intensidade, para trabalhar mais capacidades e melhorar o desempenho nas diversas modalidades esportivas. O conceito, também na natação, é aplicado às séries de tiros. As sessões de tiros curtos são caracterizadas pelo nado executado em sequência de alta velocidade e intervalos menores entre si. Elas podem ser incluídas como a principal parte do treinamento.

Utilizados no preparo para competições, além de serem mais rápidos do que uma sessão de resistência aeróbica, levando, em média, 40 minutos, no total. Eles têm como principal objetivo melhorar o limiar anaeróbio (patamar que determina a capacidade cardíaca individual para realizar trabalhos físicos) e, com isso, o condicionamento.

Quais os efeitos desse tipo de treino sobre o rendimento?

Com a melhora do limiar anaeróbio, é possível manter um ritmo mais intenso, com a frequência cardíaca mais alta, porém em condições físicas mais confortáveis, dentro do limiar aeróbio. Assim, se ganha força e potência muscular e, por consequência, velocidade.

Que outros benefícios físicos ele traz?

Em função da alta intensidade, esse tipo de treino também causa um gasto energético maior antes e depois da sua realização, na recuperação. Além disso, colabora para o com funcionamento do sistema cardiorrespiratório, vascular e do metabolismo.

Quem pode fazer?

Por se tratar de um típico treino de velocidade para natação competitiva, é preciso estar bem preparado fisicamente para encarar o treino de tiros, cujas séries não podem passar de 50m.



Termorregulação



A termorregulação é um conjunto de mecanismos fisiológicos que ocorre no corpo humano a fim de mantê-lo na temperatura de 36,5ºC, independentemente da temperatura ambiente. Se esta última for muito alta, acima de 36,5ºC, nosso metabolismo tende a diminuir, baixando os batimentos cardíacos e ativando a vasodilatação nos vasos sanguíneos e na pele para aumentar a sudorese e resfriar a superfície corporal, promovendo a liberação do calor interno para o ambiente.

Quando a temperatura ambiente é mais baixa que a do corpo, menor que 36,5º C, acontece o inverso: há um aumento do metabolismo, com acréscimo dos batimentos cardíacos, uma vasoconstrição periférica e diminuição da sudorese para manter a irrigação a todos os tecidos e evitar a perda de calor para o ambiente.

Quando estamos nos exercitando, produzimos e sentimos calor, pois nosso corpo está com todo seu metabolismo ativado para abastecer os músculos de nutrientes. Como resultado da energia produzida, a água é liberada através da sudorese e da respiração, mecanismo fundamental para que a troca de calor seja mantida, e a temperatura de 36,5ºC seja preservada.

Por esse motivo, a temperatura ambiente geralmente acima de 30ºC, assim como a umidade relativa do ar baixa (< 30%) ou alta (>80%), comprometem a eficiência dessa troca de calor, podendo ocasionar o superaquecimento (hipertermia) do corpo e, consequentemente, a hipotensão arterial aguda seguida de síncope (desmaio) e até parada cardíaca.

Já num ambiente mais frio, geralmente abaixo de 20ºC, o exercício físico ajuda a manter a temperatura corporal estabilizada por mais tempo, porém se a exposição ao frio for prolongada, pode haver uma diminuição da temperatura corporal (hipotermia), com prejuízo nas funções motoras, tremores, arritmias cardíacas e parada cardiorrespiratória.

Na piscina, a troca de calor é mais rápida, pois a condutividade térmica da água é 25 vezes maior do que a do ar. Nesse processo, o corpo sempre perderá calor, já que a temperatura da água para a prática de exercícios nunca deverá ficar mais alta do que a dele. Essa perda é causada tanto pelo processo de condução (movimento de energia térmica de algo mais quente para algo mais frio), quanto pela convecção (perda de calor causada pelo movimento da água contra o corpo, mesmo se a água e o corpo estiverem na mesma temperatura).

Os principais órgãos que definem as condições ideais para a prática de atividades físicas na água são representados pela FINA (Federação Internacional de Natação); CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos); AEA (Aquatic Exercise Association) e ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Eles informam as seguintes temperaturas:


- Piscinas destinadas somente para natação, pólo aquático ou nado sincronizado (adultos e crianças acima de 3 anos): temperatura ideal de 25º a 28ºC.
- Piscinas destinadas somente para natação bebê (abaixo de 3 anos): temperatura ideal de 30ºC a 32ºC.
- Piscinas destinadas somente à hidroginástica: temperatura ideal de 28ºC a 30ºC.

Lugares  que compartilham a mesma piscina para modalidades distintas, como a natação adulto e a hidroginástica, a temperatura adotada é de 28ºC a 30ºC.

  Assim, quando entramos na piscina, é absolutamente normal e previsto que a gente sinta um pouco de frio. Porém, como não vamos ficar parados na água, e, sim, em movimento, naturalmente e em poucos minutos produziremos calor suficiente para nos manter aquecidos durante o período de aula, que varia de 30 a 60 minutos.

Quando o exercício é praticado em intensidades mais altas (acima de 70% da capacidade máxima) e em piscinas com temperatura da água mais quente (acima de 30ºC), o risco de uma hipertermia é alto, e tampouco incomum, tendo em vista a maior dificuldade de perda de calor e consequente manutenção da temperatura corporal. Ao se observarem sintomas como sensação excessiva de calor, falta de ar, boca seca ou tontura, o exercício deve ser interrompido e a hidratação realizada.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e nadando

É importante lembrar que a sensação de frio ou calor pode sofrer influência de variações individuais e por grupos específicos (ex: crianças, gestantes, idosos, atletas) de até 2ºC, em função da quantidade de receptores de temperatura na pele, da eficiência da comunicação dessas informações com o hipotálamo e suas devidas medidas de termo regulação (individuais) e das alterações hormonais que consequentemente modificam o metabolismo.

Por: Marcio Fraga